terça-feira, 14 de junho de 2016

Morte, a palavra pesada

Há épocas na vida em que alguns sentimentos e percepções estão mais afloradas. Dessa vez, porém, não é um sentimento tão bom assim. Ele traz um aroma azedo e um gosto amargo. E ninguém é fã de coisas ruins. Pelo menos é o que acredito.

Mas do nada ela chega. Morte. Palavra forte, não? Todo mundo sabe que ela vive nos rondando. É até irônico usar o verbo "viver" para descrever esse fim.

A morte é a certeza de um rompimento. Sabemos no fundo que há algumas pessoas que nunca mais veremos e isso já é de certa forma o final de algo.Mas a morte é definitiva. E dessa forma o "para sempre" também pode ser assustador.

Na infância, o substantivo é tão abstrato que parece nunca se tornar concreto. Entretanto, o tempo o faz tornar presente. E assim, abruptamente, rompemos, de vez, laços. Como qualquer ruptura, fica o vazio, as lembranças, e a tentativa de entender o porquê disso acontecer por mais que a morte seja "coisas da vida".




Nenhum comentário: