domingo, 23 de junho de 2013

Papo chato e quadrado

A fase adulta é a mais séria da vida. Ele tem que cumprir horários, tem que controlar a alimentação, já desenvolve algumas paranoias quanto ao corpo e outras coisitas a más, tem que atingir aquela meta, está insatisfeito com o trabalho, se preocupa exageradamente e tem que se lembrar periodicamente de fazer alguma atividade lúdica para não enlouquecer. 

Enquanto isso só lembro de ouvir, quando criança, sobre o mundo lá fora. Porque antes de vir esse papo chato e quadrado de ser adulto, a mente era preenchida  por atividades lúdicas, criativas, esportes e idiomas.

E quando se é adulto, a tentativa de encaixar essas atividades na rotina vira quase um desafio.A correria fica dobrada por ter que fazer musculação ou dançar. E o desejo de continuar as aulas de espanhol fica pra depois.

Quando é que as coisas começaram a fugir do controle? Foi a partir dos 18 anos, do primeiro emprego, ou da cobrança interna - aquela que vem da gente mesmo? Quando os sábados e domingos começaram a ficar divididos entre colocar tudo em dia e descansar?

Vejo crianças e adolescentes de uniformes no caminho pro trabalho e bate uma saudade sem fim daquela época. E aí percebo que o mais perto que chegarei dessa fase novamente será com meus futuros filhos. E aí vejo velhinhos despreocupados com a pressa dos outros e já penso como a aposentadoria deve ser relaxante.

Ser adulto é mesmo nunca estar satisfeito, né?

2 comentários:

Nina disse...

É. A insatisfação acaba gerando uma desvalorização de si próprio. Do lado de cá, adorei ter crescido, foi "a melhor coisa que fiz", pois alcancei vôos inacreditáveis à partir daí.
Abraços.

Thalízia Magalhães disse...

Muito bom!! A saudade que bate dessa época é geral!Falou tudo!