quarta-feira, 27 de março de 2013

Entre escritos e sumiços


Eu não sei o que anda acontecendo, mas a inspiração acabou se perdendo em algum compromisso da minha agenda. A vida adulta me consome e cada vez mais faço menos coisas que me dão prazer. Escrever é uma delas. Sim, eu vivo da minha escrita, entre outras demandas. Mas escrever de coração, sabe?
Viver com o coração, sabe? Fazer aquilo que se tem vontade e não se afundar em uma série de TV como um dos principais hobbies praticados nas noites depois de um longo dia de trabalho. Afinal, já estou na última temporada de Gilmore Girls, com menos de 10 episódios para ver. E como esse feriado será em casa, provavelmente chegarei até o fim nesses próximos dias.
Enfim. Estou tão atolada nessa trama com clima de cidade interiorana americana que foi um parágrafo inteiro sobre a família Gilmore...
Mas passando para outros assuntos, sinto falta da sensação de liberdade, sabe? De não ter hora para acordar, de não ter problemas para resolver, de não ter todos esses problemas centralizados apenas em mim, de não ter que decidir sobre os planos do futuro, de  não ter que tomar atitude sozinha sobre esses planos, de ver mais meus amigos, de ter mais amigos, de sair para dançar, de viajar.
A minha vontade de dançar sempre foi muito grande. Talvez porque pra mim é uma das principais manifestações de liberdade. O corpo é meu e eu mexo como eu quero e dane-se o resto do mundo. Se acrescentar uma bebida, então? O mundo é só meu. Mas as baladas fogem da minha rotina. Me matriculei para dançar ragga. Tenho apresentação no próximo fim de semana e já estou nervosa por não conseguir decorar os passos... mas isso é outra história.
São tantos conflitos ao longo dos dias, tão poucas opções de hobby, tão poucos encontros com pessoas que me fazem bem, tantos prazos para serem cumpridos que a vida adulta anda me engolindo. Me engoliu tanto que não escrevo desde novembro. Confesso que tenho um bloquinho lindo parisiense que uso como refúgio nas horas mais desesperadoras. Botar pra fora sempre me fez bem. 
Mas botar pra fora com estilo foi a habilidade que sumiu.