quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Se ame, menina!

Sempre pagou de bonzinho, jurou amor eterno e até deixou marcado no seu calendário imaginário a data do casamento. Os dois eram só amores. Era tanto carinho que os cantos do apartamento se enojavam daqueles beijinhos, "amorzinhos" e "te amo" que trocavam.

Foram muito felizes. Talvez no início ele achasse que ela era muita areia pra ele e a amava incondicionalmente. Depois guardou essa ideia num potinho miúdo lá no canto, atrás dos produtos já vencidos, na despensa do apartamento. Deve ter bisbilhotado na fresta da janela os potes que a vizinha tinha, tão melhores que aquela ideia guardada.

E foi num dia desses bravos que a TPM deixa a gente com aquela vontade de doce que ela acabou achando aquela ideia. Ela parecia saborosa e doce. Tudo que precisava. Ela deixou o amor próprio de lado e jogou no colo dele. O amor que tinha era todo dele.

Ela, ainda muito menina, acreditou nas promessas e avoada que só achava que tudo que aconteceria com as amigas, aconteceria com ela. Pronto, ele terminou tudo. Suas amigas agora estavam solteiras. "É assim que funciona", dizia. Mas foi desse jeito, meio do nada. "Ok, alguns motivos eu entendo", pensou. Ficou confusa e não entendeu. Uma outra surgiu no meio do adeus.

Mas como o amor dela era todo dele, quando ele pediu pra voltar, não rendeu aos encantos. Os cantos do apartamento ficaram incomodados outra vez com tanto nhênhênhê de casal apaixonado. Era tudo festa de novo.

Minha vó sempre dizia que mentira tem perna curta. E a protagonista da história viveu isso na pele. Ele se relacionou com a outra. Aquela outra do adeus tão dolorido. Tudo bem, pensou, porque estavam separados... Mas a mentira foi contada pelas metades. A metade deixou a vergonha de lado e resolver mostrar o outro lado. A outra surgiu na história bem antes do adeus.

Foi muito choro. Várias ligações para as amigas contando todos os detalhes. Coisa de menina mesmo. Mulheres não têm mais tempo nem mais saco pra isso. Detalhar cada mensagem, cada palavra e cada gesto. Infelizmente o amor dela ainda está com ele. "Ele deve ter roubado de mim. Deve ter pego cada migalha do meu amor próprio e jogado ao redor do seu corpo", pensou.

Não deu outra. Mais uma vez outro perdão. Mais uma vez juntos (?).
As amigas já planejam o sequestro dele. Recompensa: o amor próprio dela.

2 comentários:

Flá Costa * disse...

amiga sinto muito mas vou ter que soltar um palavrão:putaqueopariu! mas o que houve? aonde é que você escondia essas preciosidades da sua criatividade?

cada detalhezinho, metáforas deliciosas... ó, voto com fé que esse é o seu melhor texto. talvez o melhor que li por aí nos últimos tempos.

toda linda você!

Princess disse...

Amei mt seu blog e seus textos!

Estou seguindo-a!

um grande abraço!