sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Da terra da Tequila e dos Mariachis

Eu esperava uma banda especial. Chorona, sempre fui fâ de músicas tristes e naquela noite não seria diferente. A banda principal era aquela inglesa que fez uma cor famosa: amarelo.
Mas antes dela, outras entrariam no palco. Entre elas, a banda da terra da Tequila e dos mariachis, como eles se definem, estava na lista.
Não esperava mais que alguns caras mais ou menos velhos com um pouco de charme no olhar.
Mas eu sempre quis conhecer o México e sempre achei espanhol muito sexy. E a torcida do francês pode pronunciar . Pra mim o espanhol é muy más caliente e esse francês fresco aí...
O show começou e a cada música tocada, mais eu me apaixonava.
Confesso que na infância eu gostava mesmo era daquele sertanejo bem dor de cotovelo. Mas os anos foram passando e o rock foi tomando o seu devido lugar na minha cabeça e no meu iPod.
Maná me resgatou daqueles acordes pesados ou até mesmo muito tristes. Porque Maná não define a tristeza da mesma maneira das bandas de rock. É um jeito romântico que alguns filmes me fazem lembrar.
É aquela dorzinha de saudade que vai bem no fundo e insiste em atormentar, mas de uma forma confortável e suportável.
Agora quem manda na minha setlist são eles. E seu pudesse, eu iria lá na terra da tequila, dos nachos, tacos, chilli e afins pra me empanturrar, embebedar e ouvir muito Maná. Ao vivo, claro.


3 comentários:

Flá Costa * disse...

Dona Rê, aqui em casa todos amamamos Maná. Incluindo mamys, que é uma apaixonada pelo grupo com cd e tudo. sou apaixonada por uma música deles que nem fez sucesso por aqui, "ojala pudiera borrarte". a coisa mais linda!

beijoca

Lilian disse...

Essa música me lembra alguém.
Beijo.

Lilian disse...

Essa música me lembra alguém.
Beijo.