segunda-feira, 18 de julho de 2011

Complicada e nada perfeitinha


Pensando bem eu sou mesmo muito estranha.


Não consigo ficar em lugar fechado e quente que começo a passar mal. A situação me lembra quando tinha 12 anos e fique presa sozinha em um elevador no Rio de Janeiro. E me alerta como eu não suporto me sentir presa de nenhuma forma.


E o dia que me deixa mais agoniada é domingo. Ficar em casa no domingo me sufoca. Me sinto engaiolada. Fui "rueira" a vida toda. Sempre gostei de conhecer novos lugares e pessoas. Casa pra mim é só descanso. Passo mal de tédio e solidão se fico por lá muito tempo.


E passo mal também com várias curvas se estou dentro do carro. Tenho necessidade de algo constante, por mais que eu saiba que mudanças algumas vezes vêm para o bem.


Também costumo falar demais quando não devo e arrependo depois por isso. Sempre guardei tudo pra mim, mas depois de ingressar em Comunicação Social a gente passa a falar pelos cotovelos.


Sou extremamente dramática e às vezes parece que gosto de brigar. Depois que a briga começa de verdade me arrependo de ter começado a discussão por bobeira. E me sinto a pessoa mais triste e idiota do mundo.


São tantos outros defeitos que é melhor terminar com essa lista aqui mesmo.

3 comentários:

Flá Costa * disse...

a gente costuma mesmo só encontrar defeitos em nós mesmos. mas a verdade é que nem sempre é fácil encontrar coisas boas em nós mesmos.

a propósito - eu também passo mal em curvas e sou extremamente dramática.

Veronica Rodrigues disse...

todo mundo tem um pouquinho disso tudo que voce disse.

Tangerina disse...

procurei algo que eu pudesse não me ver em você.... só encontrei o lance do elevador...
porque de resto, parece que sou eu, tirando a parte da comunicação social, claro, vou ser pedagoga (o que pode ser considerado grave também, serei uma professora mutcho loca, hehee).
mas enfim, estava com saudade de você e me surpreendi ao chegar aqui e ver você em mim.
boa.


um beijo.