domingo, 22 de maio de 2011

Quando a velhice chegar...


Quando me aposentar, quero viajar o mundo. Conhecer todos os lugares que a juventude não me permitiu visitar.


Mas quando estiver bem velhinha mesmo, eu quero descanso permanente da correria.
Quero cidade pequena e tranqüila.
Natureza e cachoeira.
E um amor exclusivo pra mim não só aos fins de semana. Mas a vida inteira.


Só eu e ele respirando os ares das lembranças.

sábado, 14 de maio de 2011

Lembrei de um texto...





"Depois de algum tempo, você aprende a diferença, a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma. E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começa a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. [...] E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la, por isso."


E o contrário também acontece. 

terça-feira, 10 de maio de 2011

Entre amigos


Muitas vezes não me lembro que a felicidade está mesmo nas pequenas coisas.
E como é bom estar a toa com os amigos só pra conversar.


É tão agradável estar junto, lembrar de momentos que já se passaram, rir de tudo, e combinar outros por vir.
Tinha me esquecido como esses momentos podem salvar um dia.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

sábado, 7 de maio de 2011

Já foi eu ali



Às vezes não é preciso do espelho pra ver como mudamos.
Perto do meu trabalho, às sextas-feiras, há sempre um grupo grande de roqueiros adolescentes fumando, bebendo e conversando.


Outro dia, em uma cidade não tão longe de Brasília, era eu ali. De saia xadrez, all star preto pintado de caneta bic e com cadarço listrado, meia rasgada, camisa de banda e cinto de rebite. Era eu ali tão sonhadora esperando o chato do ensino médio acabar e ir pra tão esperada faculdade de jornalismo. Era eu que já fui pra show sozinha só pra curtir a música. Era eu que passava tardes inteiras tocando violão e depois estourava os dedos na guitarra. Foi eu que tive umas duas bandas. Era eu que achava que cantava alguma coisa e não tocava quase nada. Era eu que não bebia uma gota de álcool nem tinha experimentado o sabor do tabaco.


E hoje era eu a patricinha tosca que andava entre eles. A "eu" de antes criticaria muito a "eu" de agora.
A gente não pensa que vai mudar. A gente simplesmente muda.


E sou eu quem usa rosa, sapato de salto e oxford e maquiagem. Quem usa vestido de flor. Sou eu quem não vê a hora de graduar em jornalismo. E quem não toca mais nada. Quem bebe e quase nunca frequenta shows de rock.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Papo de gente grande


Já faz um tempo que me pego pensando o porquê da vida de adulto ser tão chata. Talvez o problema seja pessoal e eu esteja enfatizando apenas o lado ruim de tudo...

Mas parou pra pensar?

A faculdade está no fim e chega a pressão do trabalho final.
Junto com a formatura chega a incerteza quanto ao mercado de trabalho.
O mercado mostra que as boas oportunidades são poucas e a profissão que vc escolheu não dá dinheiro e suga todo o seu tempo e energia.
Quando se lembra da energia, percebe que as matriarcas da famílias não estão bem. E quando vê especificamente uma, tenta ser forte ao lembrar que pode ser a última visita.
E quanto à visitas, tenta planejar uma viagem com o namorado numa tentativa de fugir disso tudo, mas que nunca dá certo.

Com o passar dos dias aquele "mar de rosas" fica para trás. Por enquanto, o tsunami de coisas ruins não passa.
 


♫ Eu digo
Não chore meu amor
Que a lua brilhou no escuro do céu
Que o som acalenta teu corpo cansado
E o sonho da gente nâo morre jamais
Na guerra ou na paz
Aqui resta uma esperança sem fim
Aqui resta um guerreiro de paz
E a lágrima quente numa noite fria
Santa liberdade
Não chore meu amor
É tanta água no teu olho
Estrelas e luas, o mar, pescadores e Iemanja. ♫

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Um novo recomeço

Mais uma vez uma certa inquietação me faz abrir um novo blog.
O rabiscos morreu e até hoje não sei explicar direito o porquê.
Tentei uma nova proposta, mas devido a plataforma e política editorial criada por mim mesma desisti. Havia muitos limites por lá.


Agora, com mais liberade, começo meu quarto blog desde 2008. E pretendo ficar com esse daqui por mais que  me dê vontade de mudanças outra vez.


Let's begin!